O Instituto Joanir Zonta, que é mantido pelo Condor Super Center, realizou nos últimos dias diversas entregas de doações, entre cestas básicas, vale-compras, kits de higiene e máscaras para instituições e órgãos assistenciais que estão contribuindo com as pessoas afetadas pela pandemia e pelo desemprego.

Foram entregues 3 toneladas de alimentos para a Secretaria de Estado da Justiça, Família e Trabalho (Sejuf); 1.500 kits de higiene para a Provopar Estadual; 5 mil máscaras de pano, 2 mil kits de higiene, 2.880 cremes dentais e 1.250 kg de alimentos para a Fundação de Ação Social – FAS de Curitiba; R$ 10 mil em vale-compras para a Associação de Celíacos do Paraná (Acelpar); 600 kg de alimentos para a Paraná Cultura.

O Condor também patrocinou a live do Padre Reginaldo Manzotti em comemoração ao Dia das Mães, que arrecadou 1,5 tonelada de alimentos.

Desde o início desta pandemia, o Condor já contratou 1.693 pessoas e vem trabalhando com o maior quadro possível de colaboradores. “Este é um momento de união e é fundamental que a iniciativa privada se una à população e ao poder público para reduzir o desemprego e minimizar os impactos desta pandemia”, afirma a presidente do instituto Joanir Zonta e diretora de RH do Condor, Sandra Zonta.

Para a presidente da Provopar Estadual, Carlise Kwiatkowski, a doação de produtos de higiene é fundamental para garantir que as pessoas mantenham a dignidade neste momento. “Esta doação trará mais qualidade de vida às pessoas em situação de vulnerabilidade social e sabemos que através da assepsia diminuímos o risco de contaminação”.

O Presidente da FAS, Fabiano Vilarruel, destacou que as pessoas em situação de vulnerabilidade social estão passando por dificuldades ainda maiores e que essa doação, além de simbolizar o amor, também é fundamental para que todos consigam superar este momento difícil.

A Paraná Cultura possui 30 profissionais, entre atores, cenógrafos e apoio, todos em uma situação delicada e sem fonte de renda. “Sem poder trabalhar, nós estamos passando por muitas dificuldades e esta ajuda é fundamental para suprirmos as nossas necessidades básicas de alimentação”, conta a produtora da Curitiba Companhia de Dança, Bia Reiner.

Segundo a Associação de Celíacos do Paraná, o desemprego está deixando muitas pessoas sem fonte de renda e, no caso de famílias com pessoas celíacas, é necessário que as doações sejam de produtos sem glúten e sem contaminação no processo de produção. “A demanda por pedidos de ajuda está cada vez maior e esta doação é muito importante para conseguirmos levar alimentos sem glúten para essas pessoas que estão sendo afetadas pela pandemia”, disse a vice-presidente, Solange Nascimento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui